QUANTO MAIOR A LUZ, MAIOR A SOMBRA

 A partir de 2015 comecei a me interessar por ilusões opticas, principalmente as com luz e cor. 

 Paralelamente já ia aprendendo a fazer animação em stop motion como pesquisa pessoal. 

 Em 2018, ao me deparar com a possibilidade de desenvolver um TCC em design grafico, resolvi unir essas dois interesses, que foi quando comecei a estudar musica visual, e a criação da imagem animada e projetada no ato, em formato de performance visual. 

Criei um projeto de meia hora onde projetava em uma instalação de cinco clipes de musica que desenvolvi visuais a partir de minhas pinturas. Esse foi o inicio de uma pulsão que depois me desenrolou a experimentar diversas formas de projeção em fachadas por São Paulo por pura curiosidade e entretenimento. Nessa brincadeira, passei a desenhar nas fachadas no próprio ato através do projetor, e me encantei com o processo e o resultado. Semelhante ao desenho livre, é sobre observar o espaço, interagir com ele e criar ilusões fantásticas.  A partir disso passei a convidar pessoas que interagissem comigo e com o espaço simultaneamente, fazendo desenhos conjuntos, ou servindo como superfície. 

 Meu projeto de animação costuma ser bem visceral, e dentre as imagens existe pouco planejamento e muito sentimento e introspecção. Dentre os programas, atualmente uso principalmente o After Effects e o Resolume Arena. 

 

Já as luminarias...

Interessada em vitrais, achei uma maneira de pintar em vidro, e quando idealizei essas pequenas projeções analógicas em 2017, não imaginava que acabaria retomando com tanta vontade agora, em 2020. Nesse momento já estou com mais algumas em desenvolvimento, a pesar de serem pinturas estáticas, o movimento vem através da movimentação da lampada, que acaba trazendo uma ilusão optica sem a necessidade de um projetor. 

Elas acabam trazendo um conforto colorido.

Projeção

Filmagens realizadas entre 2018 e 2020 abordando diversos

experimentos de projeção digital com diferentes projetores.

 

Música: Dean Town- VULFPACK